Pintura de carácter intimista em que a luminosidade surpreende a privacidade da cena representada, destacando a expressão dos rostos e das mãos das duas personagens.

J. J. Sousa Pinto (1856-1939), artista da primeira geração de naturalistas portugueses, fez os seus estudos na Academia Portuense de Belas-Artes, onde terminou o curso de Pintura em 1878, com elevadas classificações. Daqui seguiu para Paris como bolseiro do Estado e alcançou em França um grande sucesso, traduzido nos inúmeros prémios alcançados nas exposições a que concorreu.
Estabeleceu-se em França, nunca deixando no entanto de se fazer representar nos principais certames portugueses e de tratar nas suas obras temas do seu país natal. A prová-lo, estão as muitas obras suas presentes em variadíssimas colecções particulares e em museus portugueses.
Sousa Pinto é sem dúvida o artista mais representado na colecção da Casa Museu Fernando de Castro, onde podem ver-se academias, retratos, paisagens, cenas de género – pinturas a óleo e a pastel – representando indiferentemente temas portugueses e franceses.